Enfermagem: mitos e verdades da profissão

Saiba o que é fato na carreira e conheça mais sobre essa área
19/11/2018 05/12/2018 09:52 105 visualizações

Atuar na área de saúde não é uma opção para qualquer pessoa. Assim como os demais profissionais desse segmento, os profissionais têm uma rotina agitada e que ao mesmo tempo exige cuidados e amor ao próximo. 

Muito mais do que fazer curativos, a profissão exige amadurecimento emocional para lidar com procedimentos e situações difíceis. Com a missão de cuidar do paciente por meio da prevenção, reabilitação e até recuperação da saúde, o profissional da área de enfermagem pode ser auxiliar, técnico ou graduado e para exercer a atividade no mercado é necessário ter o registro no conselho estadual.

Independente dos níveis de formação, a carreira de enfermagem é cercada de mitos. Um deles é que o curso é a segunda opção de quem não conseguiu ser aprovado no vestibular para medicina. Segundo especialistas na área, a escolha pelo curso envolve muito mais do que o desejo de conquistar um diploma de nível superior. A profissão exige gosto pelas atividades de enfermagem e muita dedicação por parte do profissional. Além disso, dificilmente quem sonha com medicina vai conseguir concluir um curso de enfermagem, que apesar das áreas se complementarem têm atribuições diferentes.

Outra suposição comum sobre o curso de Enfermagem é sobre ter contato com cenas fortes que envolvem sangue e morte. É fato que quem optou por uma graduação em Enfermagem corre o risco de atender pacientes nessa situação. Quem trabalha em hospitais de emergência, por exemplo, pode presenciar momentos bons e ruins, nascimento e até morte.

Uma das perguntas entre os vestibulando que almejam fazer faculdade de enfermagem é: precisa saber fazer curativos para ingressar na carreira? A verdade é que é necessário sim ter habilidades manuais para fazer o procedimento, mas o curso vai proporcionar ao aluno a oportunidade de aprender essa e outras tarefas pertinentes à área.

Também é dúvida comum entre os estudantes a questão do tipo de formação. Mais vale à pena fazer curso técnico ou investir em uma graduação? Cada curso tem objetivos e conhecimentos diferentes.

No curso técnico em enfermagem tem modalidade de ensino geralmente com tempo de duração menor do que uma graduação, além de oferecer mensalidades com preços mais acessíveis. O tempo médio de conclusão de um curso técnico é de 2 anos e durante esse tempo o aluno é qualificado para dar apoio ao enfermeiro e prestar assistência aos pacientes com estados clínicos mais graves. Já na graduação em enfermagem, tem entre quatro a cinco anos na faculdade sendo preparado para lidar com situações mais complexas. O profissional com nível superior é o responsável por liderar a equipe composta por técnicos e auxiliares. As diferenças básicas das duas formações ainda está a questão salarial.

Por fim, é interessante saber que o mercado de trabalho para os profissionais da enfermagem não é restrito a hospitais, clínicas e postos de saúde. Embora as oportunidades de trabalho neste locais sejam mais comuns, o profissional formado no curso de Enfermagem pode ingressar no campo da pesquisa, docência, atuar na área administrativa como gestor, optar por exercer atividades em homecare, empresas de consultoria, por exemplo.

 

Fonte: E+B