SEET repudia ato de violência no Hospital Regional de Porto Nacional e aguarda solução da Secretária de Saúde à oficio protocolado

16/12/2020 09/04/2021 17:01 453 visualizações

No domingo do dia 13/12, uma enfermeira no uso de suas atribuições no Pronto Socorro (Emergência) do Hospital Regional de Porto Nacional, foi vítima de agressão física e verbal durante o plantão; a agressora usou um capacete para agredir a enfermeira e com a intensidade do golpe a mesma foi arremessada ao chão, causando lesão corporal. O ato de violência aconteceu mediante testemunhas oculares, a vítima registrou Boletim de Ocorrência e fez passagem pelo IML do município.

A enfermeira não teve condições de continuar seu plantão, devido a situação psicológica e física. Estes atos de violências revelam um grande impacto negativo na vida profissional e pessoal do trabalhador, o que remete para a necessidade de discutir estratégias de redução da violência nos servidores deste hospital e demais unidades de saúde do Estado, pois estas ações violam os direitos dos servidores da saúde à dignidade e integridade pessoal como à isenção de danos.

A coordenação do hospital oficializou a Secretária de Estado da Saúde solicitando a necessidade de suporte institucional, com medidas que melhorem as condições de trabalho e que previnam a violência associada a sentimento de insegurança dos servidores de saúde do Hospital Regional de Porto Nacional, tais providências em caráter de urgência, na contratação de segurança armada no ambiente externo e interno com Sistema de Câmeras de segurança.

O SEET já havia oficializado a Secretária cobrando o mesmo posicionamento, da qual em resposta ao Sindicato no dia 04/12 declarou que a solicitação estará em análise e levantamento da demanda, bem como elaboração de projeto básico e termo de referência para aquisição do serviço de vídeo-monitoramento. Atualmente o Sindicato aguarda novos comunicados por parte da Secretária para solução deste problema.

O Sindicato repudia todo e qualquer ato de violência contra os profissionais da saúde e de qualquer outra área, pois são estes os profissionais que se colocam na linha de frente para defesa e cuidado da vida, trabalhadores estes, que se vêm em um momento de bastante importância no cenário pandêmicos que enfrentamos em luta pela preservação da vida.